sábado, 28 de junho de 2008

Nossas Metades





















Osvaldo
Fala
em
Metades
Eu grito
Saudades.

Ele
amolece com
Metades
Tento
admirar
Silêncios...

Ele
ouve canções
E
Se cala...
Ando
tentando seguir...
Com
Calma...
Em Busca
De alma!

Ele
Fala de solidão
Afastando...
Aquieto o tremor
Dançando...

Osvaldo
Tem vontade de paz
Quero
Recompensar
E
Me
Aquietar...

Somos
lembranças
Acalmando
espíritos...

A arte
Aponta
Respostas
E brinca
De
vulcões
E vilões...

Ele
As vezes nao sabe
Sabemos pouco
De fato.

As
Duas
Metades
de
Osvaldo
Sao
Feitas
De
Amor...

E
As
Nossas
Duas
Também...

Alma Bela




Nenhum comentário:

PARADA CARDÍACA


Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.

Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski


Quem sou eu

RAZÃO DE SER Escrevo. E pronto. Escrevo porque preciso, preciso porque estou tonto. Ninguém tem nada com isso. Escrevo porque amanhece, E as estrelas lá no céu Lembram letras no papel, Quando o poema me anoitece. A aranha tece teias. O peixe beija e morde o que vê. Eu escrevo apenas. Tem que ter por quê? Paulo Leminski