domingo, 6 de julho de 2008

Imortal





















Quero
Acreditar como Richard
Distancias
Não existem.

Quero
Ter como Drummond
Aquela pedra
No caminho...

Quero
Ser inseto
E fazer viagem
Como
Um dia
Neruda o fez...

Quero
Ser operário
Trabalhar em versos
Invadir mentes humanas
Como
Maiakovski
Fez aqui.

Ah,
Quero também
Sr Leminski
La no fundo
Bem no fundo
Decretar
Que problemas
Sejam resolvidos...

Quero
Sair do convento
E
Gritar forte
Bem mais alto
Que Florbela ...

Ser
Cecília
E
Voltar na Primavera,
Inteira ...
Desabrochada

E
por fim
Ser
Poeta Pessoa
Amar o amor

E
Ser
Fingi (dor)...

Alma Bela


4 comentários:

La DobleM del motor. disse...

tienes un blog muy interesante me ha encantado poder visitarlo,la verdad que lo haces ameno de leer y pienso que no te importa dedicarle el tiempo necesario al blog sigue asi,te invito a visitar mi blog y a devolverme el comentario,gracias y suerte con tu blog

Marcos disse...

Imortal é forte, lindo e contundente, parabens!

Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos disse...

Belo poema,parabéns mesmo!!

PARADA CARDÍACA


Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.

Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski


Quem sou eu

RAZÃO DE SER Escrevo. E pronto. Escrevo porque preciso, preciso porque estou tonto. Ninguém tem nada com isso. Escrevo porque amanhece, E as estrelas lá no céu Lembram letras no papel, Quando o poema me anoitece. A aranha tece teias. O peixe beija e morde o que vê. Eu escrevo apenas. Tem que ter por quê? Paulo Leminski